19 de jan de 2011

Farmacêuticos promovem ação para estimular o uso correto de medicamentos em Porto Alegre


A ação, proposta pela Anfarmag Regional RS (Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais), ocorre neste domingo, 23, das 10h às 14h, em frente ao Monumento ao Expedicionário, no Parque Farroupilha (Redenção), em Porto Alegre, RS.

Reforçar o papel do farmacêutico como agente de saúde, além de esclarecer a população sobre a importância do uso correto de medicamentos, são alguns dos objetivos da ação promovida pela Anfarmag Regional RS na semana em que se comemora o Dia Nacional do Farmacêutico – 20 de janeiro. Dentre as orientações, aqueles que visitarem o estande poderão saber quais os riscos da automedicação, por que existem diferentes formas farmacêuticas, qual a diferença entre medicamentos manipulados e industrializados, quais informações devem constar numa receita e nos rótulos das embalagens, bem como o farmacêutico pode auxiliar para que o tratamento seja cumprido conforme prescrito. Além disso, os interessados vão receber gratuitamente o "Manual do Consumidor da Farmácia Magistral", um guia para a utilização correta de medicamentos, editado pela Anfarmag. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), há mais de 20 mil medicamentos disponíveis no mercado mundial sendo que, quase metade, é consumida de forma inadequada. De acordo com o levantamento do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox), da Fundação Oswaldo Cruz, depois do envenenamento por agrotóxicos, o uso incorreto de medicamentos é a segunda maior causa de óbtitos por intoxicação só no Sul do Brasil. "Nenhum medicamento, sem exceção, é isento de riscos", comenta Eliane Aranovich, farmacêutica e presidente da Anfarmag no RS. Para ela, a prática de tomar medicamentos sem prescrição médica e a busca aleatória por dicas na internet deve ser substituída pela orientação de profissionais médicos e farmacêuticos. Conforme a farmacêutica, as interações medicamentosas – nome técnico para quando um remédio interfere sobre a ação do outro – podem contribuir para parte dessas intoxicações. "Um leigo não tem condições de discernir se um medicamento é incompatível com outro", diz. A ação também conta com o apoio do CRF–RS (Conselho Regional de Farmácia do RS), do Sindifars (Sindicato dos Farmacêuticos no Estado do RS), da Afargs (Associação dos Farmacêuticos do RS) e da Psorisul (Associação Nacional dos Portadores de Psoríase). Em caso de chuva, o evento será transferido.

Saiba como se prevenir de intoxicações por medicamentos:
_Mantenha todos os medicamentos em local seguro e trancado, fora do alcance das mãos e dos olhos das crianças.
_Nunca deixe de ler o rótulo ou a bula antes de usar qualquer medicamento.
_Evite tomar medicamentos na frente de crianças.
_Não dê e nem tome medicamentos no escuro para evitar trocas.
_Não utilize medicamentos sem orientação médica ou farmacêutica.
_Mantenha os medicamentos nas embalagens originais.
_Tenha cuidado com medicamentos de uso infantil e adulto com embalagens muito parecidas; erros de identificação podem causar intoxicações graves ou, até mesmo, fatais.
_Nunca use medicamentos com prazo de validade vencida.
_Descarte os medicamentos vencidos em postos de coleta adequados para evitar a contaminação da água e do solo.

Sobre a Anfarmag
A Anfarmag – Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais – representa os interesses institucionais de estimadas 7.800 farmácias registradas nos conselhos farmacêuticos de todo o país como atuantes na manipulação de medicamentos. Operam no setor aproximadamente 15.000 profissionais da área e 35.000 outros colaboradores, que atendem anualmente 100 mil prescritores e um universo de 60 milhões de pessoas. O exercício da Anfarmag em defesa e promoção da farmácia e do medicamento magistral no Brasil resultou numa série de atividades e conquistas que têm alterado o perfil do setor nos últimos anos. O trabalho da instituição também abrange o relacionamento com os prescritores, especialmente médicos, por meio da edição de guias profissionais que colaboram para as políticas públicas que propõem o uso racional de medicamentos.